fbpx

ARTIGOS




Presença Executiva: a competência “escondida”

Texto de Luciana Madrid

 

“Todas as decisões importantes sobre você serão tomadas quando você não estiver na sala.”

Toda discussão de sucessão e de talentos em uma empresa passa por presença executiva.

A expressão é bacana e usada de forma indiscriminada, principalmente quando a pessoa tem todas as qualificações para o próximo nível, mas falta ‘alguma coisa’. O que é esse “algo que falta”? Como descrever para que o profissional entenda e, principalmente, possa investir em desenvolver esse misterioso gap?

Não raro, os talentos recebem o feedback de que precisam desenvolver presença executiva, mas não sabem o que fazer. E nem sempre esta é uma competência utilizada em processos de assessment.

Recentemente em um projeto de mapeamento de talentos para posições de diretoria de um cliente Self Guru, focamos em duas competências prioritárias: capacidade de influência e presença executiva. Em discussões com o VP da área, entendemos que os talentos eram bons líderes, tinham capacidade de aprendizagem, visão estratégica e sistêmica e, mesmo que evoluíssem em cada um desses pontos que poderiam ser aprimorados para dar o “próximo passo”, ainda não estariam qualificados para o  nível seguinte se não tivessem alta capacidade de influência e presença executiva.

E este assessment foi revelador para os participantes. Finalmente, aquele grupo de pessoas talentosíssimas entendeu o que estava faltando.

Presença executiva envolve uma dose grande de autoconfiança: acreditar nas suas ideias e na sua capacidade de ser bem sucedido. Transparecer essa confiança na forma como se comporta, como se comunica, como delega, como aceita erros.

Quem tem presença executiva tem orgulho do seu trabalho e do seu time e é capaz de ter voz ao se deparar com o confronto. Encara os conflitos, sem transformá-los em brigas pessoais.

Quer desenvolver e treinar a presença executiva?

  • Exercite o poder de síntese: resumir cenários e situações mostra a capacidade de entendimento do contexo e do que realmente importa em toda a questão.
  • Comunique-se com clareza, com confiança.
  • Delegue, mostre confiança na sua equipe, conheça o status das ações.
  • Encare os conflitos, com maturidade.
  • Controle as emoções em situações onde a razão precisa predominar.

Assessments customizados com foco e olhar para o negócio são determinantes no desenvolvimento de talentos, porque revelam com clareza o que precisa ser desenvolvido.

Porque sem saber onde atuar, fica mais difícil de acertar!

 

Luciana Madrid é co-fundadora de Self Guru, foi diretora de Recursos Humanos da Dell Computadores América Latina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *